Fraudadores de seguros são jovens endividados de classe média

Data: 04.01.2012 – Fonte: CQCS | Pedro Duarte

 

Homens entre 18 e 24 anos, que recebem entre 2 e 10 salários mínimos e passam por dificuldades financeiras. Esse é o perfil do fraudador brasileiro, conforme pesquisa realizada pelo Ibope, sob encomenda da CNseg. Os dados estão no artigo “Aspectos econômicos da fraude em seguros”, publicado pelos Cadernos de Seguro, com autoria do economista Lauro Vieira de Faria.

 

Apesar de apontar que houve queda no índice geral de propensão à fraude – de 41% para 24% entre 2004 e 2010 – Faria confirma a tese de que o mercado brasileiro não está bem preparado para identificação precisa das ações de consumidores que agem de má-fé.

 

“Um dado chama a atenção: o baixo percentual de fraudes detectadas e comprovadas no Brasil relativamente aos sinistros retidos. De fato, pesquisa da Associação dos Seguradores Ingleses apurou, no período 2004-2008, percentuais médios de 3% e 3,1% para essas variáveis na Inglaterra, respectivamente, portanto, 75% e 120% acima dos percentuais do Brasil em idêntico período”, analisa.

 

O especialista alerta, entretanto, para decorrências da atual crise financeira que podem gerar mais dívidas dos cidadãos e, por isso, resgatar um cenário de maior propensão às fraudes no Brasil.

 

“Pesquisa recente do Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas (IPEA), referente a julho de 2011, aferiu que, das famílias brasileiras, apenas 16% afirmaram que terão condições de quitá-las totalmente, 48% poderão quitá-las parcialmente e 35% não terão condições de pagá-las”, sustenta Faria, reforçando que o alto endividamento é um fator relevante na explicação econômica dos golpes contra o mercado de seguros.

 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *